O que está causando sua enxaqueca?

Café faz mal ou bem à saúde? Veja 10 perguntas e respostas sobre a bebida
18 de abril de 2016
Ovo: Porque realmente precisamos dele
11 de outubro de 2016

Por Laís Bhering Martins

A enxaqueca é uma doença neurológica que gera incapacidade e perda de produtividade aos seus portadores. As crises de enxaqueca são acompanhadas por sintomas como náusea, vomito, aversão a luz e a barulho. Dessa forma, conhecer e evitar a exposição aos fatores desencadeantes de crises melhora a qualidade de vida dos indivíduos acometidos por essa doença. Alguns estudos relatam que cerca de 60% dos pacientes com enxaqueca referem alimentos como desencadeantes de crises.

Alguns componentes alimentares são capazes de alterar liberação de neurotransmissores ou modificar a dilatação de vasos sanguíneos. Essas ações podem propiciar o desenvolvimento de dores de cabeça. Dentre esses componentes estão as aminas biogênicas, as quais destacam: a tiramina (presente em laticínios no vinho), fenilalanina (presente em adoçantes a base de aspartame e refrigerantes), feniletilamina (presente no chocolate) e a octopamina (presente em frutas cítricas).

Os indivíduos que apresentam enxaqueca também devem evitar o consumo de alimentos industrializados que contenham nitratos e glutamato monossódico (MSG), como: alimentos curados e processados (salsicha, presunto e bacon), molhos japoneses, sopas enlatadas, produtos congelados e molhos de salada. A leitura de rótulo para identificação desses componentes é uma medida aconselhável para seleção de alimentos por pacientes com enxaqueca.

Além disso, alguns estudos sugerem o envolvimento de alergias alimentares no desenvolvimento de crises. Dietas de eliminação de alimentos alergênicos são propostas como tratamento para a doença e essa estratégia se destaca por considerar características individuais.

Segundo Sun-Edelstein e Mauskop (2009), mesmo que haja variedade de estratégias terapêuticas medicamentosas para a prevenção de cefaleias, a grande maioria dos pacientes não alcançará melhora significativa se não aderir a um novo estilo de vida. Ademias, a maioria das estratégias medicamentosas são acompanhadas por efeitos colaterais indesejados. Portanto, se as dores de cabeça estão te incomodando, evite o consumo de alimentos potencialmente gatilhos de crises e procure um nutricionista para guiar suas escolhas alimentares!!

Referências Bibliográficas

C Ortolani, EA Pastorello. Food allergies and food intolerances. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2006;20(3):467-83.

C Sun-Edelstein, A Mauskop. Foods and supplements in the management of migraine headaches. Clin J Pain. 2009 Jun;25(5):446-52.

EI Aydinlar, PY Dikmen, A Tiftikci, M Saruc, M Aksu, HG Gunsoy, et al. IgG-based elimination diet in migraine plus irritable bowel syndrome. Headache. 2013 Mar;53(3):514-25.

LB Martins, JFM Azevedo, DC de Lima, ABP Costa, AL Teixeira, DR Oliveira, et al. Migrânea e os fatores alimentares desencadeantes. Headache Medicine,. 2013;4(2):63 – 9.

LE Mansfield, TR Vaughan, SF Waller, RW Haverly, S Ting. Food allergy and adult migraine: double-blind and mediator confirmation of an allergic etiology. Ann Allergy. 1985 Aug;55(2):126-9.

MD Ferrari, RR Klever, GM Terwindt, C Ayata, AM van den Maagdenberg. Migraine pathophysiology: lessons from mouse models and human genetics. Lancet Neurol. 2015 Jan;14(1):65-80

K Alpay, M Ertas, EK Orhan, DK Ustay, C Lieners, B Baykan. Diet restriction in migraine, based on IgG against foods: a clinical double-blind, randomised, cross-over trial. Cephalalgia. 2010 Jul;30(7):829-37.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *