Mel – CLÍNICA TRINUTRIX
Bolo de Maça Ralada
junho 29, 2014
Chá verde x chá branco
julho 6, 2014

O mel é um líquido viscoso produzido pelas abelhas a partir do néctar das plantas e processado pelas suas enzimas digestivas. É armazenado em favos nas colmeias para servir de alimento para as abelhas trabalhadoras. Há muito tempo é reconhecido por suas propriedades terapêuticas. Os tipos de mel variam de acordo com a planta de onde é retirado o néctar, assim como da localização geográfica das plantas e do tipo de abelha produtora.

Devido à variação da origem do mel, há diferenças na aparência, percepção sensorial e na composição. Seus principais constituintes são carboidratos, principalmente frutose e glicose, mas também mais 25 diferentes polissacarídeos. Contém conteúdos menores de proteínas, enzimas, aminoácidos, minerais, vitaminas, compostos aromáticos e polifenóis, que são antioxidantes. Os minerais mais presentes são: potássio, cálcio, fósforo, sódio, magnésio, selênio, ferro, manganês e cobre. Já as vitaminas que mais aparecem são as C, B2, B3, B5, B6 e ácido fólico.

Por ser rico em carboidrato, seu índice glicêmico varia de 32 a 85 (médio a alto), dependendo da fonte. A carga glicêmica (parâmetro que leva em consideração o tamanho da porção) e o índice insulinêmico do mel dependem do seu conteúdo de frutose. Porém, esses parâmetros ainda são menores dos encontrados no açúcar branco, a sacarose.

Possui ação anti-inflamatória e promove regeneração de tecidos em casos de cortes, machucados e queimaduras, acelerando o processo de cicatrização. Essa última função parece estar relacionada à presença de peróxido de hidrogênio. Devido ao seu conteúdo de oligossacarídeos, possui propriedades prebióticas, ou seja, serve de substrato para as bactérias benéficas do intestino. Foi mostrado, em um estudo, que seu consumo aumenta a população intestinal de bifidobactéria e lactobacilos, provavelmente devido ao seu conteúdo de frutooligossacarídeos, um tipo de prebiótico.

× Como posso te ajudar?